9.12.15

Sonhos




Busca o homem o impossível
Quando sabe o que quer
Mas do contrário é passível
De inventar desculpa qualquer

Assim, sonhos são adiados
Para quem sabe talvez
Da vida ninguém é avisado
Quando haverá outra vez

O pior é ruminar o que deveria ser e não foi
Paga o preço bem alto
Por ter deixado pra depois

Em todo caso, não custa nada perguntar
Se era isso mesmo que querias
Ou se estavas apenas a sonhar

21.11.15

Trabalhador




antes de ser médico, 
policial, 
professor ou camelô 
você é um trabalhador!
antes de ser dentista, 
vendedora, 
artista ou entregador 
você é um trabalhador!
antes de ser músico, 
advogada, engenheiro ou pintor 
você é um trabalhador!
com
ou 
sem
partido
você é um trabalhador!

18.11.15

Os anos


Os anos se passaram
como que por encanto
enquanto canto
ainda hão
de passar
mas olhando daqui
sou o mesmo de lá
sou o mesmo menino
que adultou
sem pensar

6.11.15

Lembrei agora



Lembrei agora,
no meio da
noite,
o que amanhã
tenho de fazer.
Por que me tomas, lembrança,
se sabes que tenho de dormir?
Amanhã, logo cedo,
acordo e esqueço
um pouco do roteiro
a seguir.

30.10.15

Na rua do amor













ao longe se vai
dobrando a esquina
parece uma rima
onde as palavras
se encontram
na rua do amor
sem número

28.10.15

A vida









A vida
é o que é
nem me iludo
e nem me engano
o caminho se faz 
ao caminhar
sob a caminhada
de outros tantos

22.10.15

Quem dera...













No mar
ondula
suave e macio... um navio

Segue livre
e solto... um boto

Quem dera
ser assim... ao menos passarim

5.8.15

Te inspira no mar










Pássaro
que és
e gostas de
cantar
logo se vê
não cantas aí
como cantarias


Tudo tu tens
e tudo te falta
não seria
a vida assim
uma vida falsa?

Ensaia teu voo
e põe-te a voar
e voa bem alto
te inspira
no mar

26.7.15



restava apenas a esperança
na caixa de Pandora
agora não resta mais
pois do que não foi
não há o que se dizer
apenas o silêncio
primeira mulher
obra dos deuses
a que tudo dá
a que tudo tira
o sol que traz a luz
para uma parte do globo
eclipsa a outra parte
quis as moiras
ao tecer o fio da vida
que a vida fosse a morte
e que a morte fosse o começo
e havia apenas uma exigência:
decifra-me ou te devoro

20.7.15