22.6.12

De partida


Mal cheguei e já estavas partindo
Que poderia eu fazer?
Diante de tal fato
Fiquei sorrindo

Era riso sim
Mas não era riso de alegria
Pois quando eu chegava ela partia

E lá longe – na esquina do tempo – te vi
Dobrar bem distante
Linda como todos os dias
Mas sempre que eu chegava
Tu partias

Te trouxe a alvorada como quem trás
Um ramo de flores
Fugistes pra longe
Pra longe tu fores

E no horizonte teu semblante se ia
Te aproveitas do ocaso
Acaso sabias?

Ah, se soubesses...  embora assim não irias!
Mas o que posso eu fazer?
És a lua da noite
E eu sol do dia

2 comentários:

Clareanna V. Santana disse...

lindoooo!

Anônimo disse...

é uma tristeza bonita. como pode?
Letícia