22.5.06

O Ufanismo Brasileiro em Época de Copa do Mundo





Mudando de Assunto...





Há menos de um mês para a copa do mundo é notória a euforia nacional com o fovoritismo da Seleção Brasileira neste mundial. Por todos os lados da cidade as cores verde e amerelo estão presentes em camisas, bonés, em bandeiras penduradas em carros, nas unhas pintadas das meninas, em enfeites espalhados pelas ruas e até mesmo na pequena blusa da criança inocente que passa e todos acham graça.

De quatro em quatro anos, sempre no mês de Junho, o brasileiro esquece de todos os seus problemas e, literalmente, pára para assistir a sua seleção entrar em campo. Em meio aos dribles dos craques, aquela imagem de um país corrupto vai ficando para trás, cedendo espaço para a alegria de um gol. A seleção vence o primeiro jogo! Alegria geral na nação, todos se abraçam esquecendo até mesmo brigas pessoais e se emocionam em ver seu jogador preferido – aquele que ganha milhões de Euros num time lá fora – marcar um gol de placa. Enquanto isso num Brasil real, as facçõs criminosas vão tramando seus próximos ataques em grandes cidades através de telefones celulares com as cores da bandeira basileira que um carcereiro corrupto conseguiu para um preso. Na narração instigada do locutor do jogo, o brasileiro vai se deixando levar durante noventa minutos e sente junto com ele o gol que a seleção sofre logo no primeiro tempo. Não demora muito e um torcedor acende uma vela pro primeiro santo que atender o seu pedido pra seleção ganhar a partida. No desespero do momento, promete que se seu pedido for atendido ele vai assistir todas as missas da igraja mais próxima até a próxima copa. Fim de jogo: Brasil ganha a partida. Depois de comemorar a vitória o torcedor logo lembra da promessa e faz cara feia.

Entre um jogo da seleção e outro as apostas vão aumentando proporcionalmente aos números de eleitores que votarão no ex-Deputado Severino Cavalcante, aquele que renunciou o seu mandato de Presidente da Câmara dos Deputados, depois das acusações de suborno a um empresário, e que hoje é um dos mais cotados nas intenções de votos em sua cidade no interior de Pernambuco. É... parece que o brasileiro tem memória curta. Mas vamos fazer um teste e perguntar quantas vezes o Brasil foi campeão da copa e, pra complicar, vamos perguntar também em que ano? Duvido que mais de três pessoas errem a pergunta!

Esse grande momento esportivo esperado a fio e contado nos dedos por sua chegada, parece maquiar uma gama de problemas do dia-a-dia que acaba ficando pra depois. São nessas horas que o presidente (que não sabia de nada) agradece a ausencia de assuntos sobre o governo nas principais revistas, pois eles estarão ocupadas com a copa. Mas logo em seguida o brasileiro volta ao seu ritmo normal e se lembra que aquele cara que ele abraçou na hora do gol é seu inimigo.

É curioso esse ufanismo brasileiro. São poucas as manifestações que reunem a grande massa, assim como agora na copa, contra atos que nos lesam no dia-a-dia. O brasileiro parece que só se lembra que é brasileiro de quatro em quatro anos.

Decisão final da copa do mundo de 2006, Brasil e... Todos os brasileiros assistem vidrados na telinha da TV a grande partida. Será que o Brasil vai ganhar? Essa é uma pergunta difícil de responder, mas uma coisa eu posso afirmar: o cara que fez a promessa pro Brasil ganhar com certeza não vai assistir sequer uma missa.

6 comentários:

Anônimo disse...

É desse jeito mesmo que acontece. O mais impressionante é que parece que o povo brasileiro fica completamente alienado com isso tudo.

Geanne disse...

è um saco mesmo esse negócio de copa do mundo. Parece que "todos" viram idiotas nessa época.

Roncalli disse...

Cara,
eu gosto muito de futebol... nunca vou esquecer das vezes que
fui a um estadio assistir jogos do meu time, Sousa futebol clube.
ver a arquibancada lotada, gritando, rádios no ouvido, picolés, laranjas
pobres, ricos...o gol no botafogo... alegria... fogo, festa, espetáculo.

nas copas, famílias se unem...tem cerveja... tensão, ansiedade... rivalidade.
todos comentam jogadas, atitudes... xingam juízes

acho que o futebol se enraizou , se ritualizou na cultura brasileira, assim como as touradas
estão para os povos de língua espanhola.

agora, a gente sabe, infelizmente, que os políticos usam a prática do pão e circo desde o império romano...

Silvia disse...

Bom... Pensando sobre a Copa...
Acho que essa empolgação toda tem a ver com a nossa baixa auto-estima... Precisamos de todo jeito de sermos melhores e maiores em alguma coisa. Como não temos um império econômico, sonhamos com um império no esporte. Do futebol, esse ideal tá passando para o vôlei, a ginástica, o iatismo...
O problema é que essa fragilidade (psicológica) nos torna manipuláveis demais. E quem tem um pouco de distanciamento de tudo isso usa muito bem esses momentos pra cegar a nossa percepção acerca do resto das coisas.
E assim, o ideal de que o brasileiro é um povo "feliz e tranqüilo" se mantém. E a nossa situação social também.

Jânsen disse...

Bom, eu vejo diferente, mas parecido.
Gosto de futebol, de esporte, mas sei que alguns manipulam o povo utilizando-se dele (do futebol). Mas não acho que o problema está aí. Se não fosse o futebol, encontrariam outro meio de fazer isso - e o encontram em novelas, cinema, música, etc.
Quem gosta de futebol - e aqui falo aos que gostam de futebol - gostam da copa do mundo pelo futebol, pela competição, pelo clima etc. Eu não saberia viver sem futebol, é como Roncalli disse, é cultural, já se enraizou - pelo menos em mim. Não vou desgostar dele por que alguns o usam para outras intenções, se não deixaria de gostar de um bocado de coisas, como por exemplo, literatura, quando vejo um Paulo Coelho... ou de ler revistas, quando vejo a revista VEJA... etc
Agora, se as pessoas usam a copa para se mostrarem como são, alienados, comandados, é por que são e serão assim em tudo na vida.

fabiano disse...

Um esclarecimento:
Esse foi o primeiro texto que fiz não destinado para esse blog. Na verdade ele foi feito para uma cadeira que estou pagando na universidade, mais espeficamente para um editorial de um programa de rádio e que teria que ter algo crítico. Gostei dele e coloquei aqui.

Não acho que o problema seja o futebol e sim o povo que parece ficar cego em tempo de copa e perde a dimensão das coisas. Acho até legal a prática do esporte e a pelada com os amigos, é diversão garantida! Penso que a Silvia tem razão quando fala que o brasileiro precisa ser maior ou melhor em alguma coisa, por isso esse exagero todo. Mas como Roncalli e Jânsen disse já é cultura e se enraizou faz tempo. Pra você ver como isso é verdade: até eu que não gosto de futebol estou assistindo os jogos e torcendo pelo Brasil. Mas sem perder a crítica, é claro.