6.4.08

Ladrão de Palavras

Estas próximas palavras não são minhas! Nem mesmo sei a quem pertencem. Só sei que as roubei. Estampadas em capas e encartes de discos, foram esquecidas pelos seus donos ao longo do tempo. Com a revolução tecnológica que permitiu a substituição dos antigos vinis por cd’s, no final da década de 80 e início dos anos 90, estas palavras foram vendidas impressas em vinis pela força da mão que pressionava o lápis em seus encartes no intuito de deixar para o futuro a lembrança do presente.

Talvez a doce nostalgia dessa lembrança não fosse tão doce assim. Quem sabe estes que se dizem amigos já não o são mais hoje. Quem sabe o casal apaixonado já não é mais tão apaixonado assim. Talvez até nem estejam mais juntos. Enfim, duvido que depois de tanto tempo alguém venha reclamá-las. Mas, pensando bem, qual o crime maior, o meu ou o deles? Não fui eu quem vendeu estas palavras dedicadas com tanto afeto nos discos. Afinal, onde estão todos eles agora? Apareceriam e me condenariam pelo meu crime? Me censurariam? Ou será que nada diriam ao saberem que sei de seus crimes também? De toda forma o meu crime já prescreveu. Então repito: estas palavras não são minhas!


“Passaram-se os anos
Passaram-se os meses
Passaram-se os dias
Mas não passaram
A lembrança eterna
De uma amizade que
Lutamos para perpetuar” .
(Fevereiro de 1987)
Disco: Vida de Chico Buarque (1980)

“Não tenho tudo que quero,
Mas amo tudo que tenho”.
Disco: Roberto Carlos (1990)

“Vilma, aceite esta simples lembrança
De todo coração pela passagem
Desta magnífica data.
De sua amiga Neide”
(16/01/80)
Disco: Mel de Maria Bethânia

“Se todos os que vivem juntos se
Amassem, a terra brilharia mais que o sol”
Rose (18/07/82)
Disco: Amar de Simone (1981)


“Vilma, aceite esta simples lembrança
Com muito carinho pela passagem de
seu aniversário”. (16/01/83)
Disco: Nossos Momentos de Maria Bethânia (1982)
------------
E enquanto este post é publicado escutamos um bom
e velho vinil de Caetano: Transa (1972).

Um comentário:

clare disse...

é trilha sonora!
tudo diz de tudo um pouco.