9.3.11

Mentiras Sinceras me interessam...

Antes de mais nada: Era noite, 02 de fevereiro de 2011... Na cozinha da casa de Sandrinha, ao lado da máquina de lavar, eu (Fabiano), Geanne Lima e Adriana Caires conversávamos sobre a vida, relacionamentos e coisa e tal. Sonzinho rolando no PC... Entre um gole e outro de cerveja Nobel (hein?) revezávamos a escrever estas linhas...

__________________________________________________________

Mentiras Sinceras me interessam...


Você nasceu no final, enquanto o pano caia, posso ver que está confuso, mas está tudo bem, são apenas o repicar dos sinos anunciando um novo tempo. Você vê agora, barcos estão cruzando, desertos, oceanos instalam-se com calor. Pessoas se afogam em gotas de chuva, mas está tudo bem, isso não é uma derrota, apóie-se nos seus próprios pés. Exatamente agora o sol não brilha porque está encharcado com vinho. Apesar do que eu posso rir no meio da tempestade porque eu nasci quando o sol costumava brilhar em fevereiro.

Eu não sou amigo de beira de estrada. O sotaque é novo, mas me conforta. Melhor do que sua cara velha batida. Eu não tenho TPM, mas o cigarro tá acabando e é quase a mesma coisa. Eu não sei usar drogas, apenas você. Apenas você...

Caetano, às vezes, acerta...

Você não pediu licença poética para fazer rimas sobre o meu coração. Você roubou o que há de melhor em mim e pior, não alimentou a minha alegria de te ver passar. Agora estou aqui, sem rimas e nem versos que complete o meu amor. Mas a tua indelicadeza é apenas o insuficiente para alimentar a compreensão de tudo o que acontece entre nós. Então, hoje tudo me basta, até o cigarro que acabou se esgotando de tanto fumar. Até a maconha que nem sequer existiu entre nós essa noite. Até a paranóia de tentar compreender teus desejos mais insanos. Até o beijo que pensei em te dar foi interrompido – como um coito que é apenas a metade do que poderia ter sido completamente absoluto.

E agora o que resta? O desejo de realizar, a vontade de sentir, de te querer, de te amar e de te provar que a minha insatisfação é apenas o que me instiga a continuar do teu lado.

Agora tua loucura de viver complementa o meu desejo de querer te provar que o meu bloco ainda vai passar e vai continuar a brilhar nessa passarela que é a vida.

Sou a rainha do Egito

Sou a filha do Faraó

Sou uma dessas meninas que namoram a lua e o sol

A sorrir eu pretendo levar a vida...



Ps.: O primeiro parágrafo acima é uma música de Raul Seixas que Geanne escreveu na hora.

3 comentários:

Clareanna V. Santana disse...

Uhu! ficou psicodélico e extremamente existencialista

Nina disse...

Bonitas palavras, Fabiano. E como diz o Chico, a gente 'vai levando'.

Tyara disse...

Pelo jeito a cozinha da casa de Sandrinha é essaum laboratório de alquimia etílico-poético.
Um brinde aos banquetes que alimentam o espírito.